Palavras Cruzadas em papel ou digital?

13.5.15

Terminou o período de transição

Respeito todos aqueles que recusam seguir as "novas" regras, eu optei por evitar a utilização das palavras com nova grafia nos meus passatempos... em 2011 isso já tinha acontecido no livro "Palavras Cruzadas com Literatura", publicado pela Quetzal... e assim continuará a ser, sempre que possível.

Segui o AO a partir do momento que o mesmo foi aplicado nas escolas e em alguns jornais e revistas para os quais trabalho (o que não foi bem aceite por algumas pessoas, eu sei, mas não poderia ser de outra maneira)... rapidamente percebi que o melhor seria evitar as palavras que mudam... longe de mim arranjar "inimigos" e afastar as pessoas das Palavras Cruzadas.
O AO tem algumas coisas positivas, aproximar a grafia utilizada pelos países lusófonos é positivo... mas há, obviamente, regras com as quais não concordo, por exemplo, «para», sem acento, dificulta (e muito) a leitura... mas, como disse, não a utilizo (e esta pode ser facilmente substituída por outras palavras).

O AO, carece de uma revisão, sim... mas há outras "coisinhas" que estão a prejudicar a língua portuguesa... por exemplo: a utilização do inglês... não só nas Redes Sociais, aparece já em muitas das "nossas" expressões diárias... isso, sim, deixa-me muito preocupado...

...e fico-me por aqui pois tenho mais que fazer... ;-)

Amplexos e ósculos!...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pesquisa personalizada

Para mecenas